Para representante da FAO, Brasil irá liderar produção de milho e soja nos próximos anos

Alan Bojanic é uma das presenças confirmadas no Fórum do Agronegócio
12 de março, 2018
Estima-se que a população global tenha atingido a marca dos 7,6 bilhões de pessoas, em outubro de 2017. Uma nova projeção demográfica da ONU aponta que, em 2030, a população mundial atinja 8,6 bilhões, um bilhão a mais de pessoas em 13 anos.  Enquanto a população dá um salto quantitativo, a fome no mundo voltou a crescer. O último relatório Estado da Segurança Alimentar e da Nutrição no Mundo 2017, da ONU, apresentado em setembro de 2017, mostra que 815 milhões de pessoas ou cerca de 11% da população mundial passam fome atualmente, causada principalmente pela proliferação de conflitos violentos e mudanças climáticas.
Dados como esses tornam o Brasil objeto de muito interesse da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).
O País tem o maior potencial, entre todos do mundo, para aumentar a produção de alimentos em até 40% nos próximos anos. “Acreditamos que em 2024, 2027, o Brasil estará produzindo 300 milhões de toneladas de grãos e que assumirá a liderança mundial na produção de milho e soja, superando os Estados Unidos. E isso, para nós, que pensamos em segurança alimentar para todos os povos, é significativo”, explica Alan Bojanic, representante da FAO para o Brasil.

Bojanic é um dos convidados que participa como debatedor no tema “O agronegócio na nova sociedade: implicações e perspectivas para o Brasil”, juntamente com lideranças representativas do agronegócio brasileiro,  como a senadora Ana Amélia Lemos (PP); o presidente da Embrapa, Maurício Antônio Lopes; o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken; o presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG), Luiz Carlos Correa Carvalho; e o diretor da Esalq-USP, professor Luiz Gustavo Nussio, tendo como expositor Roberto Rodrigues, Centro de Agronegócio da FGV. O debate acontece durante o Fórum do Agronegócio 2018, no dia 9 de abril, no Recinto Horácio Sabino Coimbra, no Parque de Exposições Ney Braga. O Fórum, se realiza pelo terceiro ano consecutivo, discutindo temas que são estratégicos para o Brasil.

Segundo Bojanic, discutir o agronegócio agora é extremamente importante. “Não porque o Brasil teria uma missão de fornecer alimento para o mundo. Mas porque os efeitos do agronegócio para a economia brasileira são significativos. O agronegócio tem o potencial para tirar o Brasil da crise, alimentar e dar emprego para boa parte da população brasileira”, diz. Assim, segundo ele, a FAO observa o país por esses três aspectos: segurança alimentar, econômico e social. “Hoje, é o setor-chave na sociedade e pode gerar externalidades positivas”, explica.

Da acordo com o representante da FAO, o que precisa ser resolvido para que isso se concretize é a logística. “Ainda que se produza mais, ainda que o Brasil tenha essa boa perspectiva para se tornar a grande força do setor agrícola mundial, precisa fazer resolver o problema de escoamento dos alimentos”, aponta.

Informações e inscrições www.forumdogronegócio.com